Notícias

Medo de dentista é a segunda fobia mais comum no mundo

Saiba como o plano odontológico pode eliminar seu medo de ir ao dentista.

Você já ouviu falar em odontofobia? O medo do cirurgião-dentista afeta milhares de pessoas há décadas e, desde 1987, é considerada a segunda fobia mais comum, perdendo apenas para o medo de falar em público. Segundo dados da Associação Brasileira de Odontologia, a rejeição ao cirurgião-dentista pode estar relacionada ao medo da dor, que, no passado, era mais presente nos tratamentos devido ao menor grau de conhecimento e técnicas disponíveis. Afinal, a criança traumatizada de ontem é o adulto de hoje, que transfere o medo para a próxima geração.

A fobia pode afastar o paciente das consultas de rotina, aumentando a procura do consultório para casos de urgência, ou seja, apenas quando o quadro está bastante avançado, com dor intensa. A ansiedade pode ser tamanha que o indivíduo tem calafrios, mão suadas e batimento cardíaco acelerado, ficando propenso a uma emergência médica no consultório.

Ao encontrar o dentista adequado, converse com ele, ou com os atendentes da clínica, a respeito de seu problema dentário e suas apreensões e receios com relação aos procedimentos a serem realizados. É muito importante manter uma comunicação franca e aberta com seu dentista. Isso torna sua experiência mais tranquila e agradável. Ao comunicar com antecedência o cirurgião-dentista sobre a fobia, ele poderá se planejar, garantindo o bem estar ambos. Isso estabelece uma relação de confiança entre dentista e paciente, garantindo tranquilidade e segurança na realização dos procedimentos.

E lembre-se, ter um plano odontológico desde a infância desmistifica a profissão e elimina a aversão. A orientação deve começar cedo, dos pais à fase de transição para a juventude, por meio de um trabalho contínuo de promoção da saúde bucal.

 

Compartilhe esta notícia!